Primeira Exposição Pecuária de Montes Claros

Petrônio Braz

Já está anunciado que a Expomontes/2017 será realizada de 30 de junho até 09 de julho no Parque de Exposições, aqui em Montes Claros.

Por oportuno, em minhas mãos um exemplar da Revista Zebu, de Uberaba/MG, edição de setembro de 1951, que traz em destaque a realização da Primeira Exposição Pecuária realizada em Montes Claros, de 15 a 19 de agosto naquele ano de 1951, com apresentação de excelentes exemplares de bovinos, equinos, suínos, asininos, muares, caprinos e ovinos, da Fazenda Humaitá, realizada por iniciativa pessoal de um único pecuarista e expositor: Ademar Dias de Figueiredo, o conhecido Nozinho Figueiredo. Um criador, só, realizou o histórico certame.

DARCY RIBEIRO: UM SER IMAGINÁRIO

Petrônio Braz

Embora já habitual leitor de suas obras, busquei reconhecer, identificar, conferir Darcy Ribeiro. Diante da grandiosidade de seu valor humano e de sua obra, pareceu-me um ser imaginário, que teria vivido no Norte de Minas, nos primórdios da ocupação portuguesa, buscando entender os conflitos entre os nativos e os colonizadores. Compreender a relação marcada por conflitos entre os habitantes primitivos da terra, em fase da colonização.

Indaguei-me: o ser imaginário e investigador teria convivido naquele espaço e naquele tempo com os Guaíbas, Natus, Crixás, Xacriabás e Caiapós, senhores absolutos das terras do Grande Sertão, adotado depois por Guimarães Rosa?

Não!

Jubileu de Ouro da Academia Montes-clarense de Letras

Petrônio Braz

A Academia   Montes-clarense   de   Letras,   que   este   ano   completacinquenta anos de existência e no último dia 21 de janeiro em curso empossousua   nova   Diretoria   regularmente   eleita,   foi   fundada   e   instalada   em   13   desetembro   de   1966   por   uma   plêiade   de   personalidades   ilustres,   intelectuaisiluminados,   que   navegavam   pelas   águas   claras   e   transparentes   da   arteliterária,   entre   eles  Alfredo   Vianna   de   Góes,  Antônio  Augusto   Veloso,   JoséRaimundo Neto, Padre Joaquim Cesário dos Santos Macedo, Geraldo Avelar,João   Valle   Maurício,   Hermes   de   Paula,   Maria   Pires   dos   Santos,   Orlando Ferreira Lima, Heloisa Neto Castro, Francisco José Pereira, Avay Miranda. O   importante   sodalício   conta   com   quarenta   membros,   a   exemplo   da“Académie de France” e da Academia Brasileira de Letras.Os fundadores da Academia Montes-clarense de Letras, em um ato de fé, firmaram disposições iniciais vinculadas ao propósito de fixar neste Norteum espaço voltado para o intelecto. Por esta razão, preocupa-me a aculturada visão do ser humano civilizado de nossos tempos com os bens materiais, em detrimento da busca racional do conhecimento de tudo que se encontra ao seu redor.

“Maira”, de Darcy Ribeiro

Petrônio Braz

A Universidade Livreda Academia Mineira de Letrasrealizará,em Belo Horizonte,uma sessão sobre os quarenta anos da publicação de “Maíra”, de Darcy Ribeiro, como forma de homenagear a memória desse grande intelectual nascido em Montes Claros.

O romance “Maíra” escrito pelo antropólogo  Darcy Ribeiro foi publicado a primeira vez em 1976, pela Editora Brasiliense. O Autor revive as emoções dos anos em que conviveu com os índios.

O livro trata de uma tribo fictícia, os mairuns, criada pelo Autor a partir de características de vários grupos indígenas brasileiros, sendo bastante oportuno para se entender o conflito de seres que se separam das suas raízes culturais e buscam recuperar sua identidade.

A convitedo acadêmico Rogério Faria Tavares, da Academia Mineira de Letras, o advogado, escritor e acadêmico Petrônio Braz será o conferencista do evento.

Que País é este?

Petrônio Braz

É dever do Estado garantir a segurança de todos os cidadãos. Grande utopia. Quem ou o que é o Estado? O Estado por seus órgão está em todos os lugares, a toda hora, para garantir essa segurança? Neste País os que fazem as leis estão acobertados pela segurança. Para eles o Estado está presente. Mas e o restante da população (que chamam cidadãos)!? Já disse e outros disseram: Lei não desarma bandido, mas desarmou o cidadão honesto. A sociedade civil, o cidadão honesto, está desarmada, impossibilitado do exerceu o direito à legítima defesa de sua própria vida. Os eleitores disseram “não“ à Lei do Desarmamento, mas ela está em vigor. A vida é o bem maior do ser humano.